Os gÉnios seguido de exemplos

Os gÉnios seguido de exemplos

Datos del producto

Editorial: SISTEMA SOLAR
ISBN: 9789898566034
Publicación: 11/2016
Formato: Papel
Idioma: Portugués
Número de páginas: 248
14.91 €

Disponible. Entrega en: 24-48 horas

Sinopsis

-Estas ondas, este fluxo e este refluxo, este vaivém terrível, este ruído de todos os sopros, [...] este infinito, este insondável, pode tudo isto estar num espírito, e chama-se então génio a esse espírito e tereis Ésquilo, tereis Isaías, tereis Juvenal, tereis Dante, tereis Miguel Ângelo, tereis Shakespeare, e olhar para estas almas é como olhar o Oceano.- [excerto] -Victor Hugo [1802-1885] começa a congeminar o livro polémico que se chamaria William Shakespeare: porque em 1864 era celebrado o tricentenário do nascimento do dramaturgo inglês; porque o seu filho François-Victor lhe pedia um prefácio às suas traduções desse autor; e porque ele próprio sonhava para esta obra outro papel: o de testamento do século XIX e da corrente estética que ficaria conhecida por Romantismo. Ficar-se-ia também a saber que aos homens do génio, sentidos por metáfora nessa diversidade imensa de águas, podemos chamar homens-oceanos. Shakespeare seria escolhido como último numa cronologia de catorze génios literários; e olhar para as suas almas seria o mesmo que olhar para o oceano. Em1864, a publicação de William Shakespeare por uma editora de Bruxelas surpreendeu e foi polémica. O título desse livro de quatrocentas páginas prometia Shakespeare mas só passava por ele de raspão; coleccionava dissertações que tinham como tema central o génio, uma delas chamada precisamente "Les Génies" (a que foi isolada e aqui traduzida para português). Os "génios" escolhidos por Victor Hugo (Homero, Job, Ésquilo, Isaías, Ezequiel, Lucrécio, Juvenal, Tácito, João, Paulo, Dante, Rabelais, Cervantes, Shakespeare) só podem ser avaliados na sua posição cimeira pela totalidade da obra e no contexto histórico em que ela surgiu na literatura. Os Exemplos deste livro ambicionam menos: coleccionar os seus catorze estilos, os seus catorze tons, e mostrar como puderam ser sentidos e reflectidos noutra língua, a portuguesa.- [Aníbal Fernandes]

Comentarios